rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Eliseu França Benjamin Netanyahu Emmanuel Macron Jerusalém Israel

Publicado a • Modificado a

Presidente francês recebe no Eliseu PM israelita

media
PM israelita, Benyamin Netanyahu recebido no Eliseu pelo Presidente francês, Emmanuel Macron. REUTERS/Philippe Wojazer

O presidente francês, Emmanuel Macron, recebeu este domingo no Eliseu, o primeiro-ministro israelita, Benjamim Netanyahu, numa altura em que continua a suscitar reacções, o reconhecimento americano de Jerusalém, como capital de Israel, e sede da futura embaixada dos Estados Unidos.


O chefe de Estado francês, Macron, almoçou este domingo, 10, com o primeiro-ministro israelita, Benjamim Netanyahu, que foi recebido antes no Eliseu, numa altura em que o reconhecimento de Jerusalém, como capital de Israel, pelo presidente americano, Donald Trump, provoca reacções negativas.

O presidente Macron, lamentou que os Estados Unidos, tenham reconhecido Jerusalém, como capital israelita, para a sua embaixada, insistindo junto de Netanyahu sobre a necessidade de existência de 2 Estados, um israelita e outro palestiniano.

Presidente francês, Emmanuel Macron, sobre a paz israelo-palestiniana 11/12/2017 ouvir

Do seu lado, o primeiro-ministro, Netanyahu, declarou que "se o presidente Abas está interessado na paz, que regresse à mesa de negociações".

O primeiro-ministro israelita repetiu o que já tinha dito ao reagir à "decisão histórica" de Donald Trump, que Jerusalém, sempre foi "capital dos judeus há 3000 anos e capital de Israel, há 70 anos".

Mais: historicamente, os palestinianos eram os actuais israelitas, com uma bandeira exibindo a inscrição "palestina", enquanto os árabes desse território, só passaram a ser chamados palestinianos, com a fundação da OLP, e o hoje,Israel,  abraçou o nome bíblico que vem do Reino de Israel.

Netanyahu, não podia, pois, dizer outra coisa, limitando-se a repetir o que é consensual, que Israel continua aberto a negociar a paz e que todas as nações interessadas, como a França, em dar a sua contribuição, são bem-vindas, com vista a relançar o processo de paz com os palestinianos.