rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Comissão Europeia Eurodeputados Glifosato Herbicida Proibição Cancro

Publicado a • Modificado a

Comissão Europa adia votação do herbicida glifosato

media
Comissão Europa adia votação do herbicida glifosato PHILIPPE HUGUEN / AFP

A Comissão Europeia União decidiu adiar esta quarta-feira a votação sobre o herbicida glifosato, cuja licença expira no próximo mês de Dezembro.


Os representantes dos Estados membros da União Europeia reunidos esta manhã num comité de peritos para decidir o futuro do glifosato, decidiram adiar a votação sobre o controverso herbicida.

A Comissão Europeia tinha apresentado, ontem, aos Estados-membros uma proposta de autorização da utilização do herbicida glifosato por mais dez anos. A proposta seria votada hoje, mas perante a forte probabilidade de chumbo, a Comissão Europeia decidiu suspender a votação até ter nova proposta.

De acordo com o porta-voz da Comissão, o executivo europeu mantém o objectivo de "encontrar uma solução que beneficie de uma maioria qualificada e que assegure o nível de protecção de saúde humana e ambiental, tendo em conta a legislação europeia e fundada sobre os dados científicos disponíveis".

Parlamento Europeu quer proibir o glifosato

O Parlamento Europeu votou uma resolução que proíbe a utilização do glifosato devido ao seu potencial cancerígeno, uma resolução que foi aprovada com 355 votos a favor, 204 contra e 211 abstenções. Mais do que renovação da licença, os eurodeputados querem que a Comissão Europeia adopte as medidas necessárias para eliminar progressivamente a substância activa glifosato na União Europeia, até 2022.

"Provavelmente carcinogénico"

A utilização do glifosato ocorre na sua maioria na agricultura. Em 2015, a agência Internacional de Investigação para o Cancro- da OMS- concluiu num relatório que o glifosato era "provavelmente carcinogénico".

Várias ONG'S, entre elas a Greenpeace, têm levado a cabo uma campanha intensiva, em Bruxelas, contra a substância. Mais de um milhão de pessoas assinaram uma petição a exigir a proibição do herbicida, cuja licença expira no próximo mês de Dezembro.