rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Furacão Antilhas Francesas Portugal

Publicado a • Modificado a

“Estamos sempre preparados” para os furacões

media
Ilha de Saint-Martin após passagem do furacão Irma. 7 de Setembro de 2017. Lionel CHAMOISEAU / AFP

José Fernandes contou à RFI que a ilha da Guadalupe, onde reside, escapou por pouco ao furacão Irma. “Estamos sempre preparados”, descreveu o português, face às notícias da chegada de novos furacões à região.


"Temos umas conservazinhas sempre, o arrozinho, a massa, temos o gás. A malta está um pouco habituada a isto”, começou por explicar, de forma descontraída, o português que reside há 31 anos nas Antilhas Francesas.

Depois de o furacão Irma ter poupado a ilha onde reside, as atenções viram-se agora para os outros furacões que se aproximam e ameaçam a região: o furacão José, de categoria 4, e o furacão Katia, de categoria 2.

Professor de língua portuguesa e representante da associação de autarcas lusofranceses Cívica, José Fernandes protegeu a sua casa com materiais mais robustos.

“Nós estamos sempre preparados para a eventualidade que ele passe. Ele (furacão Irma) era para vir directo para cima de nós. Desviou-se alguns quilómetros, antes da ilha, para o norte, e foi lá para Saint Barth e Saint Martin”, continuou.

“Isto agora é até ao fim de Novembro, quando eles começam vêm todos atrás uns dos outros”, afirmou.

José Fernandes também mobilizou empresas portuguesas para enviar águas e conservas para Saint Barthélemy, a ilha que tem “oito a dez mil habitantes”, entre os quais “três mil portugueses”.

José Fernandes, Residente na Guadalupe 08/09/2017 ouvir

O furacão Irma continua a sua rota em direcção à Florida, nos Estados Unidos, depois de ter devastado várias ilhas das Caraíbas. O furacão não poupou as ilhas de Saint-Martin, Saint-Barthélemy, Barbuda e Ilhas Virgens americanas.

Na parte francesa de Saint-Martin e de Saint-Barthélemy, as autoridades falam em 9 mortos e mais de uma centena de feridos. Na parte holandesa de Saint-Martin, há registo de, pelo menos, dois mortos e mais de 40 feridos.