rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Eleições presidenciais francesas 2017 Presidenciais Campanha Marine Le Pen

Publicado a • Modificado a

Justiça pediu levantamento da imunidade de Marine Le Pen

media
Marine Le Pen no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, a 26 de Outubro de 2016. Frederick Florin/AFP

A nove dias da primeira volta das eleições presidenciais em França, a justiça francesa pediu ao Parlamento Europeu a retirada da imunidade parlamentar da candidata da Frente Nacional, Marine Le Pen. Uma nova sondagem volta a apontar Marine Le Pen e Emmanuel Macron como os vencedores da primeira volta do escrutínio.


As suspeitas de alegados empregos fictícios no seio da Frente Nacional não têm prejudicado a popularidade de Marine Le Pen que continua a liderar as intenções de voto na primeira volta das eleições presidenciais em França.

A 10 de Março, Marine Le Pen não se apresentou a uma convocatória judicial no âmbito da investigação de um alegado esquema para remunerar os seus colaboradores com fundos públicos do Parlamento Europeu. Le Pen justificou-se com a sua imunidade enquanto eurodeputada.

Agora, a justiça pediu ao Parlamento Europeu a retirada da imunidade parlamentar da candidata da extrema-direita às presidenciais e Marine Le Pen relativizou. “É normal, é o procedimento habitual, não me espanta”, disse Le Pen, esta manhã, à FranceInfo. Ainda assim, o procedimento habitual deverá durar vários meses no seio do Parlamento Europeu.

Uma imunidade que deu que falar no último debate televisivo para as presidenciais, no qual Philippe Poutou, do Novo Partido Anticapitalista, disse que não há imunidade para os operários e denunciou a hipocrisia de uma candidata que se diz anti-sistema mas não hesita em usar o sistema para não prestar contas à justiça.

Na recta final da campanha, os candidatos multiplicam os esforços para ganhar votos, numa altura em que cerca de um em cada três franceses não decidiu em quem votar, de acordo com as sondagens.

Numa outra sondagem divulgada do instituto Opinionway-Orpi para o jornal Les Echos e Radio Classique, Marine Le Pen lidera as intenções de voto na primeira volta com 23%, diante de Emmanuel Macron com 22%, François Fillon com 20% e Jean-Luc Mélenchon com 17%. O candidato do PS, Benoît Hamon, aparece com 9%.

Na segunda volta, em caso de duelo Macron-Le Pen, Macron venceria com 62% dos votos, enquanto um duelo Fillon-Le Pen resultaria na vitória de Fillon com 58% dos votos.

A 2 de Março, o Parlamento Europeu já tinha aprovado o levantamento da imunidade parlamentar de Marine Le Pen num outro caso: a investigação por “difusão de imagens violentas” no Twitter, em Dezembro de 2015. Em causa, a publicação, por parte da líder do FN, de fotos de reféns do Estado Islâmico, nomeadamente do jornalista norte-americano James Foley. Na altura, em resposta a um jornalista que fez um paralelo entre o seu partido e o grupo autodenominado Estado Islâmico, Marine Le Pen publicou três imagens de vítimas do grupo terrorista e escreveu "Daech é isto!".