rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Aeroporto Air France França Paris Greve Voos

Publicado a • Modificado a

Greve provoca cancelamento de mais da metade dos voos na França

media
Segundo dia de greve convocada pelos sindicatos de controladores aéreos da França. REUTERS/Gonzalo Fuentes

Pelo segundo dia consecutivo, o tráfego aéreo na França continua afetado nesta quinta-feira (9) devido a uma greve dos controladores aéreos. Mais da metade dos voos previstos foram cancelados ou registram atrasos.


Nos dois aeroportos de Paris, o de Roissy-Charles de Gaulle e o de Orly, o dia começou com poucos atrasos, mas a situação deve se complicar ao longo do dia. Em Nice, no sul da França, 44% dos 157 voos previstos para hoje foram cancelados.

A Air France anunciou que vai garantir um voo em cada quatro do aeroporto de Orly e metade dos voos de média distância que deixam ou chegam a Roissy-Charles de Gaulle.

Os voos de longa distância estão sendo pouco afetados. Os três voos previstos hoje da Air France para o Brasil foram confirmados. O primeiro deles já deixou a capital francesa na manhã de hoje com destino à São Paulo. Os outros dois restantes partirão à noite. A companhia de baixo custo Easyjet cancelou 224 voos.

Negociação de acordos

A greve foi lançada pelo sindicato SNCTA que representa a metade dos 4 mil controladores aéreos franceses. Eles cruzaram os braços para reivindicar o direito de negociar acordos específicos da profissão. Esse segundo dia de greve traz maior repercussão no tráfego aéreo porque, paralelamente, outros sindicatos do setor haviam agendado para hoje uma paralisação em protesto pelas recentes reformas e medidas de austeridade do governo francês.

O dia de mobilização nacional, convocado por quatro centrais sindicais (CGT, FO, FSU e Solidaires), também afeta outros setores como o da educação, saúde, energia e transportes. Pelo menos 70 passeatas foram programadas em todo o país para denunciar também a queda do poder aquisitivo dos franceses. Em Paris, a CGT espera reunir mais de 100 mil pessoas em uma marcha prevista no início da tarde.