rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Alemanha Ecologia Energia França Manifestação Nuclear

Publicado a • Modificado a

Ativistas fazem protesto antinuclear para marcar 25 anos de Chernobyl

media
Manifestações marcando os 25 anos da catástrofe de Chernobyl já começaram neste fim de semana pelo mundo. Reuters

Pelo menos seis manifestações antinuclear estão previstas na fronteira franco-alemã, na Suíça e na Áustria. Os protestos acontecem na véspera do aniversário de 25 anos da catástrofe de Chernobyl, o mais grave acidente atômico da história do nuclear civil.


As manifestações desta segunda-feira acontecem nas pontes do rio Reno, na fronteira franco-alemã, na Suíça e na Áustria, mas o principal protesto será na Ponte da Europa, que liga a cidades de Estrasburgo, na França, e Kehl, na Alemanha. Os manifestantes pretendem chamar a atenção para os riscos da energia nuclear, um dia antes do aniversário de 25 anos da catástrofe de Chernobyl.

Os ativistas também protestam contra a central de Fessenheim, a mais antiga usina nuclear em atividade na França, situada às margens do Reno, a apenas 25 km da cidade francesa de Mulhouse e da cidade alemã de Friburgo, e a 40 km da Basiléia, na Suíça. Desde o acidente na central de Fukushima, em março, a atividade da usina de Fessenheim vem sendo contestada.

Ao realizar a manifestação desta segunda-feira na fronteira franco-alemã, os ativistas relembram com ironia a posição francesa após a catástrofe de Chernobyl, em 1986. Na época, especialistas do governo afirmaram que a nuvem radioativa vinda da usina ucraniana não entraria na França, pois a radioatividade não conseguiria atravessar a fronteira.

Além dos ativistas antinuclear, as manifestações devem contar com a participação do ecologista francês Nicolas Hulot, candidato potencial às eleições presidenciais de 2012. Com 58 centrais, a França tem o segundo parque nuclear do mundo e o maior da Europa, perdendo apenas para os Estados Unidos.