rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Chipre Comissão Europeia Espanha França Grécia Recessão Zona do Euro

Publicado a • Modificado a

Recessão na zona do euro vai piorar em 2013, diz Comissão Europeia

media
O secretário para Assuntos Econômicos, Olli Rehn Foto: Reuters

A recessão na zona do euro será pior do que o previsto, segundo o relatório divulgado pela Comissão Europeia nesta sexta-feira. A retração do PIB (Produto Interno Bruto) deverá ser de 0,4%, e o desemprego deve atingir os 12%. A retomada do crescimento está prevista apenas para 2014.


De acordo com o documento, a retomada do crescimento nos 17 países da zona do euro deve acontecer apenas em 2014, e a previsão de aumento do PIB é de 1,2%, que foi revisado para baixo em relação às previsões de fevereiro feita por Bruxelas. “A economia europeia deve se estabilizar no primeiro semestre de 2013. A retomada deve ter início no segundo semestre ddeste ano, e vai acelerar em 2014’’, indica a Comissão em seu relatório.

A taxa de desemprego, entretanto, que atinge 12% da população ativa, deverá se manter em 2014. "Devemos fazer todo o possível para lutar contra o desemprego na Europa", disse o comissário europeu para assuntos econômicos, Olli Rehn. "É preciso intensificar a implantação de reformas estruturais", declarou.

Oito países da zona euro devem continuar em recessão neste ano, entre eles a França, que deve conhecer uma retração de 0,1% do PIB em 2013. A Grécia vai registrar uma baixa de 4,2%, Portugal de 2,3%, a Espanha de 1,5%, a Itália 1,3%, a Holanda (0,8%) e a Eslovênia, 2%. O país, aliás, é visto como o próximo candidato à um programa de ajuda financeira por conta da fragilidade de seu setor bancário.

Segundo o relatório, a recessão no Chipre vai piorar até 2014 com a redução drástica do setor bancário imposta pelos credores e um esforço de 13 bilhões em três anos. O PIB do país deve sofrer uma retração de 12,6% entre 2013 e 2014, segundo a Comissão.

A França também estará em recessão neste ano, e o déficit público, pior do que o previsto. Uma situação que contribuirá para a alta do desemprego no próximo ano. O crescimento será negativo em 2013 (-0,1%), mas em 2014 a previsão é de que haja uma progressão do PIB de 1,1%. O déficit público deve ser de 3,9% do PIB neste ano e 4,2% no ano que vem. Segundo a comissão, a recessão deste ano se explica pela baixa de consumo, motivada pelo desemprego, aliada à alta dos impostos e à desconfiança dos investidores.

Na Espanha, a situação continua a se deteriorar, e deverá atingir 7% do PIB em 2014. O déficit público da quarta economia da zona do euro deve passar de 10,6% em 2012 para 6,5% em 2013, antes de passar a 7% em 2014.