rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Igreja Católica Rede Social Twitter Papa Bento 16 Vaticano Roma

Publicado a • Modificado a

Bento 16 envia primeiro tuíte abençoando todos seus seguidores

media
O papa Bento XVI tuitou pela primeira vez nesta quarta-feira, durante sua audiência semanal, no auditório Paulo VI, no Vaticano. REUTERS/Giampiero Sposito

O papa bento 16 publicou nesta quarta-feira, 12 de dezembro de 2012, seu primeiro tuíte. O texto foi postado esta manhã pelo próprio papa de um tablet, no Vaticano. "Queridos amigos, estou feliz de entrar em contato com vocês pelo Twitter. Abençoo todos vocês de coração", diz a mensagem, em várias línguas, inclusive em português.


Com a colaboração de Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

Em tempos de novas tecnologias, até o papa Bento XVI aderiu ao Twitter. Hoje, dia da nossa senhora de Guadalupe, ele enviou a sua primeira mensagem de no máximo 140 caracteres. O perfil escolhido foi @pontifex, lembrando que a origem da palavra pontífice significa também construtor de pontes.

Assim que o Vaticano anunciou, no último 3 de dezembro, que o papa havia aderido ao Twitter, milhares de pessoas começaram a segui-lo. Espera-se que até o natal os seguidores cheguem a um milhão.

A partir de hoje, os tuítes serão sempre enviados em contas em espanhol, inglês, italiano, alemão, polonês, árabe, francês e português. Outros idiomas serão adicionados no futuro. Segundo explicou Greg Burke, assessor de comunicação do Vaticano, os tuítes virão do conteúdo da audiência geral semanal do papa, bênçãos dominicais e homilias sobre os principais feriados da Igreja. As mensagens também incluirão a reação aos acontecimentos mundiais importantes, como desastres naturais, por exemplo.

O Vaticano disse que precauções foram tomadas para garantir que a conta do papa não seja invadida por hackers. Apenas um computador no Secretariado de Estado da Santa Sé será utilizado para os tuítes. Bento 16, de 85 anos, enviou pessoalmente seu primeiro tuíte, mas no futuro a maioria das mensagens será escrita por assessores e aprovada pelo papa, que não gosta de escreve em computador, antes do envio em seu nome.