rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Homenagem Literatura portuguesa

Publicado a • Modificado a

Corpo de José Saramago chega a Portugal

media
O corpo do escritor José Saramago chegou neste sábado a Portugal.

O corpo do escritor, que será cremado neste domingo, ficará exposto na capela da prefeitura de Lisboa. O governo português decretou dois dias de luto nacional.


O corpo do escritor José Saramago chegou no início da tarde deste sábado no aeroporto militar de Lisboa, a bordo de um avião da força aérea portuguesa. No mesmo voo, estavam presentes sua mulher, a jornalista Pilar del Rio, sua filha, Violante, e a ministra da cultura de Portugal, Gabriela Canavilhas. Cerca de 30 pessoas, entre amigos e personalidades do mundo da literatura, aguardavam a chegada do caixão, coberto com a bandeira de Portugal, onde foram decretados dois dias de luto.

O corpo do escritor, que será cremado, ficará exposto em uma capela na prefeitura da cidade. A cerimônia de adeus está prevista para este domingo, na capital. As cinzas em seguida serão jogadas entre Azinhaga, sua cidade natal, e Tias, nas ilhas Canárias, onde ele viveu durante 17 anos. José Saramago morreu nesta sexta-feira, aos 87 anos, vítima de "uma falência múltipla dos órgãos", de acordo com sua fundação.

Prêmio Nobel da Literatura em 1998, Saramago deixou Portugal em 1993 depois da polêmica desencadeada pela publicação do seu livro "O Evangelho segundo Jesus Cristo." O governo denunciou a obra como um "desrespeito ao patrimônio religioso português", decidindo retirar o autor da lista dos candidatos ao prêmio europeu de literatura. Depois da decisão, Saramago decidiu se exilar na Espanha. Curiosamente, o presidente Anibal Cavaco Silva, primeiro-ministro na época, foi um dos primeiros a prestar homenagem ao escritor, " uma referência para a nossa cultura, cuja obra deve ser lida e conhecida pelas futuras gerações."

Diversos dirigentes mundiais, entre eles o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro das relações exteriores francês Bernard Kouchner e o primeiro-ministro José Luis Zapatero enviaram suas condolências à família do escritor.