rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Cabo Verde Gripe OMS Epidemia Saúde Saúde Pública Vírus Surto

Publicado a • Modificado a

Cabo Verde: OMS vai apoiar combate ao surto de gripe

media
Vírus influenza, responsável pelas epidemias invernais de gripe revolutionhealth.org

 

A OMS vai apoiar Cabo Verde a identificar a estirpe do vírus e a combater o surto de gripe e pneunomia, que assola as ilhas de São Vicente e de Santo Antão  as autoridades estão a investigar eventuais relações de dois óbitos com este surto.


Devido a uma vaga de frio fora do comum nesta época do ano, Cabo Verde tem enfrentado um surto anormal de gripe e pneunomia, que afecta sobretudo as ilhas de Santo Antão e de São Vicente.

Em declarações à imprensa, na cidade do Mindelo, a directora Nacional da Saúde, Maria da Luz Lima garantiu que "até ontem (20/02) havia suspeita de dois óbitos e o Ministério da Saúde está a fazer investigações para conhecer qual é o tipo de vírus que está a circular...já pedimos o apoio da Organização Mundial de Saúde nesse aspecto, que também está receptiva e nos vai apoiar". 

Odair Santos, correspondente em Cabo Verde 21/02/2018 ouvir

Estão pois a ser investigadas as eventuais relações entre estas duas mortes e possíveis complicações devido à gripe, com recolha de amostras nos pacientes com casos mais graves para determinar qual a estirpe em causa, que poderia ser o vírus influenza ou myxovirusinfluenzae, responsável pelas epidemias invernais de gripe.

No hospital central do Mindelo, a segunda maior cidade do país, nos primeiros 45 dias do ano o número de casos de gripe e pneumonia quase que triplicou, comparado com o mesmo período do ano passado, mas a directora do Hospital Baptista de Sousa, Ana Brito, garante que nenhum dos óbitos registados foi provocado por síndrome gripal.

O Ministério da Saúde tem recebido várias notificações sobre o aumento da síndrome gripal, principalmente nas ilhas de São Vicente e de Santo Antão e apela a população com sintomas gripais a procurar os centros de saúde, para não sobrecarregar os bancos de urgência dos hospitais.