rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Publicado a • Modificado a

Angola: Príncipe Harry visita campo de minas 22 anos depois da Princesa Diana

media
Príncipe britânico Harry na província do Huambo, Angola a 27 de Setembro de 2019 lusa

O Príncipe Harry está em Angola para dar continuidade à luta contra minas terrestres iniciada pela sua mãe a Princesa Diana há 22 anos, num périplo africano de 10 dias, que começou e terminará na África do Sul, seguindo de Angola para o Malawi.


Foi em Janeiro de 1997 em plena guerra civil em Angola, que a Princesa Diana de Gales, visitou a província do Huambo, acompanhando uma missão de desminagem, numa campanha pela proibição de minas anti-pessoais e esta sexta-feira (27/09) o Príncipe Harry repetiu os passos da mãe e visitou o mesmo campo, agora desminado.

A sua fotografia num campo minado alertou o mundo para o problema das minas anti-pessoais e no final de 1997, já depois da morte da Princesa Diana a 31 de Agosto de 1997 o seu sonho foi "concretizado", com a assinatura da Convenção sobre Proibição edo Uso, Armazenamento, Produção e Transferência de Minas Anti-pessoais, designada Convenção de Otawa, que entrou em vigor a 1 de Maio de 1999 e da qual 157 países são signatários, entre os quais Angola.

Correspondência de Daniel Frederico 27/09/2019 ouvir

22 anos depois, o seu filho mais novo, o Principe Harry, ou seja Henry Charles Albert David Duque Sussex, manifestou o seu interesse em dar continuidade dos trabalhos iniciados pela sua mãe, na luta contra minas anti-pessoais e pela proibição de minas terrestres.

Estima-se que existam cerca de 60 mil angolanos mutilados devido ao rebentamento de minas de guerra, entre as quais cerca de 40% são mulheres.

Segundo dados da Comissão Intersectorial de Desminagem e Assitência Humanitária em Julho de 2019 na província do Huambo apenas subsiste um "possível" campo minado com 13 mil metros quadrados.

Dos mais de três mil campos recenseados no final da guerra civil em 2002 nas 18 províncias de Angola, subsistem ainda 1.220 campos minados, numa área de 105 kms quadrados, sobretudo nas províncias do bié, Kuando Kubango, Kuanza Sul e Moxico.

Harry que já tinha visitado zonas minadas na região do Cuito Cuanavale em 2013, chegou a Luanda na passada quinta-feira (26/09) viajando logo para Dirico, no sudeste do país, onde passou a noite num campo de desminagem da ong britânica Halo Trust.

Esta sexta-feira (27/09) ele inaugurou um novo segmento do programa Queen's Commonwealth Canopy, uma rede internacional de florestas, cujo objectivo é facilitar a passagem de animais selvagens na bacia do rio Okavango, que é partilhada com a Namíbia e o Botswana.

Seguiu depois para a província do Huambo, tendo passado por Arvor, onde percorreu a pé a Avenida 28 de Maio - pintada de fresco - onde a Princesa foi fotografada há mais de 22 anos.

Em seguida o Príncipe assistiu a reinauguração do Centro Ortopédico de medicina física, que agora passa a ser denominado Princesa Diana.

Em declarações à imprensa, o Principe considerou ser muito importante continuar a lutar pela desminagem e a ameaça das minas anti-pessoais, que causam milhares de vítimas civis em Angola, num momento em que diminuem os financiamentos a esta causa.

O Príncipe Harry será recebido este sábado (28/09) em Luanda pelo Presidente João Lourenço e pela Primeira dama Ana Dias Lourenço, seguindo depois para o Malawi onde ficará três dias, antes de regressar à África do Sul onde se encontrará na quarta-feira (2/10) com Graça Machel, concluindo a visita com uma audiência com o Presidente Cyril Ramaphosa.