rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Angola Brazzaville África João Lourenço Qatar

Publicado a • Modificado a

Angola à procura de investimentos em Brazzaville

media
João Lourenço, Presidente angolano. 25 de Maio de 2019. Michele Spatari / AFP

O Presidente de Angola, João Lourenço, participa, esta terça-feira, no Fórum Investir em África, que decorre em Brazzaville, na República do Congo. Objectivo é “atrair investimentos e estabelecer parcerias a todos os níveis”, de acordo com o ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto.
 


O quinto Fórum Investir em África pretende debater a diversificação económica em África e a criação de empregos num continente com uma população jovem que deve chegar aos 1.300 milhões até 2030.

O Presidente de Angola, João Lourenço, discursa esta terça-feira, depois de uma visita de Estado a Doha, no Qatar, onde foram assinados vários acordos de cooperação e um Memorando de Entendimento no domínio dos transportes aéreos e marítimos.

O ministro angolano das Relações Exteriores, Manuel Augusto, sublinhou que o objectivo é “atrair investimentos e estabelecer parcerias a todos os níveis”.

Angola continua à procura de investimento dentro da sua estratégia. Por essa razão, sempre que há oportunidade de dar a conhecer ao mundo, não só as suas potencialidades mas os seus planos e programas de desenvolvimento, Angola tenta fazê-lo ao mais alto nível. É por esta razão que o Presidente João Lourenço aceitou o convite do Presidente Sassou Nguesso para participar neste Fórum de Investimento em África”, afirmou o chefe da diplomacia, num registo da Angop.

Manuel Augusto explicou que o evento é co-organizado com o “maior parceiro comercial de África, a China”, e o Banco Mundial, sendo que “uma grande parte das instituições financeiras internacionais estão engajadas nesta plataforma de cooperação”.

Esta é uma ocasião importante para que Angola possa dar a conhecer os seus planos e convencer potenciais investidores e, sobretudo, ouvir experiências de sucesso de outros cantos do mundo e que podem servir de referência para o país”, destacou.

As sessões do fórum são organizadas em torno de cinco pilares: desenvolvimento do capital humano, a economia digital e a inovação, parcerias público-privadas e investimentos climatéricos, industrialização e cadeias de valor globais, e soluções energéticas ecológicas.

O Fórum foi estabelecido em 2015 como uma plataforma global para promover a cooperação multicultural e as oportunidades de investimento em África. Junta representantes do sector privado de África e da China, instituições regionais e internacionais, parceiros para o desenvolvimento e centros de pesquisa.