rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Convidado
rss itunes

Ansiedade aumenta em torno dos refugiados de Lóvua

Por Marco Martins

Desde o passado fim-de-semana cerca de 3 000 a 3 500 refugiadois congoleses decidiram caminhar até à fronteira para regressar ao país de origem a RDC.

Uma situação que preocupa o ACNUR e o Governo de Angola que decidiram ajudar essas pessoas a chegarem à fronteira. No entanto estes regressos voluntários espontâneos são casos isolados e a RDC, o ACNUR e Angola vão definir o planeamento do regresso voluntário organizado dos refugiados que mostraram interesse em regressar ao país natal.

Tomé Azevedo, do Serviço Jesuíta de Refugiados, que se encontra no terreno, explicou-nos exatamente o que tem ocorrido desde o passado fim-de-semana e adiantou-nos as razões pelas quais os refugiados regressam.

Em Angola teve lugar em Luanda uma reunião do governo, com, nomeadamente, o ACNUR, Alto comissariado das Nações Unidas para os refugiados, da RDC. Em causa o regresso de milhares de refugiados do Kassai, rumo a esta província do antigo Zaire, a partir da província angolana da Lunda Norte, um processo que sofreu uma forte aceleração nos últimos tempos a partir do campo de Lóvua, sem o aval daquela instância da ONU. Téte António, secretário de Estado angolano das relações exteriores, reconhece estar-se perante uma situação de emergência.

Téte António, secretário de Estado angolano das relações exteriores 22/08/2019 ouvir

João Mosca "é ridículo" alegar Credibilidade do Estado na reestruturação da dívida

AI: empresas que vendem armas cúmplices das violações de direitos humanos

Insegurança alimentar entre as principais causas da migração na América Central

Moçambique: Amnistia Internacional quer que o Papa Francisco aborde direitos humanos