rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Jonas Savimbi UNITA Funeral dinheiro Isaías Samakuva Luanda Angola Exéquias de Savimbi

Publicado a • Modificado a

UNITA sem dinheiro  para realização do Funeral de Jonas Savimbi

media
AFP/Issouf Sanogo

No âmbito dos preparativos das cerimónias fúnebres do seu líder histórico, Jonas Savimbi, que devem decorrer, a 1 de Junho, a UNITA,  indicou estar a ter dificuldades financeiras para a sua organização. Dos 500 milhões de kwanzas que precisa para levar avante a homenagem, a UNITA afirma ter apenas recolhido 80 milhões, donativos dos seus militantes.


O Presidente da UNITA, Isaías Samakuva, disse que a UNITA, precisa de 500 milhões de kwanzas, cerca de 1,35 milhões de euros para organizar as cerimónias fúnebres de Jonas Savimbi, mas até agora apenas conseguiu 80 milhões, cerca de 218 mil euros, em doações de militantes. 

Mas, Samakuva, afirmou ainda que  são várias as manifestações de apoio de cidadãos da sociedade civil, membros de outros partidos, pessoas anónimas, que estão a contribuir para que esta actividade corra bem.

Isaias Samakuva, líder da UNITA sobre cerimónias fúnebres de Savimbi 21/05/2019 ouvir

"Posso garantir que as doações já passam os 80 milhões de kwanzas, o equivalente a cerca de 218 mil euros. Ainda é uma gota no oceano. Os nossos cálculos para esta actividade, as nossas previsões, sobretudo, o que vai ser necessário ali, ultrapassa os 500 milhões de kwanzas".

Para o actual líder do Partido, "há 17 anos que nós esperávamos por este momento, que vamos viver nos próximos tempos. Podemos ver que, para materializar este projecto, ainda há pequenas dificuldades que temos de vencer.

Está prevista para 28 deste mês a recepção pela família e pela UNITA dos restos mortais, que serão entregues pelo governo, no Cuíto, capital da província do Bié.

E seguidamente os restos mortais de Savimbi chegam dia 29 à sua residência na província do Huambo, para as cerimónias funerais decorrerem a 1 de junho.

Com a colaboração do nosso correspondente, em Luanda, Daniel Frederico.