rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Portugal Angola Diplomacia Política Negócios

Publicado a • Modificado a

Presidente português no Lubango e Benguela

media
Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, à chegada ao Lubango. 07 de Março de 2019. JOÃO RELVAS/ LUSA

Esta quinta-feira é o segundo dia da visita oficial do presidente português a Angola. Marcelo Rebelo de Sousa deslocou-se ao Lubango e Benguela.


O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, deslocou-se hoje às províncias de Benguela e Huíla. 

À chegada ao Lubango, capital da Huíla, o chefe de Estado levou mais de duas horas a saudar a multidão, percorrendo lentamente os 11 quilómetros entre o aeroporto e o centro da cidade.

"Vinha dependurado porque, como o carro é blindado, não dá para abrir a janela. Portanto, eu abri a porta e vim com um pé no estribo, e outro nem sei bem aonde, e uma mão a segurar", explicou, acrescentando: "Realmente, demorámos muito, muito tempo", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, citado pela agência Lusa.

Com um atraso de duas horas e meia, o presidente português teve um encontro com o governador da Huíla, Luís da Fonseca Nunes. Este é um empresário ligado à agro-pecuária, um sector com potencial na região e que o Governo angolano tem apontado como estratégico na diversificação da economia.

Marcelo Rebelo de Sousa deu, ainda, uma palestra sobre direito na Universidade Mandume Ya Ndemufayo, o nome do último rei do povo cuanhama que se opôs ao poder colonial português no início do século XX.

Em Benguela, o chefe de Estado português vai encerrar um fórum económico e reunir-se com portugueses residentes em Angola, no navio Álvares Cabral, da Marinha Portuguesa.

A visita, que começou oficialmente na quarta-feira em Luanda, vai terminar no sábado, 09 de Março, dia em que Marcelo Rebelo de Sousa completa três anos de mandato.

A deslocação ocorre três meses depois do Presidente angolano ter visitado Portugal. João Lourenço tomou posse em Setembro de 2017 e iniciou um novo ciclo político, após 38 anos com José Eduardo dos Santos no poder.