rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Conferência Angola Presidente João Lourenço Corrupção

Publicado a • Modificado a

Presidente angolano fala da luta contra a corrupção

media
João Lourenço, Presidente de Angola. John MACDOUGALL / AFP

O Presidente angolano João Lourenço deu hoje uma conferência de imprensa em que abordou alguns temas da actualidade do país. João Lourenço reiterou que o repatriamento coercivo de capitais vai ter início a 26 de Dezembro, não havendo prazo para o termo desta operação.


Respondendo às perguntas de mais de 20 jornalistas nacionais e estrangeiros, o Chefe de Estado referiu que a partir do próximo dia 26 de Dezembro, quem não tenha procedido voluntariamente ao repatriamento desses capitais, "corre o risco de perder os recursos e de comparecer perante os órgãos de justiça". Neste sentido, o Presidente angolano desmentiu ainda quaisquer veleidades de o MPLA monopolizar o combate à corrupção, sublinhando que nenhuma força política está afastada dessa luta.

Noutro aspecto, questionado sobre a situação do Ex-Vice-Presidente da República, Manuel Vicente, cujo processo-crime por corrupção e desvio de fundos aberto em Portugal e transferido para Angola, é suposto ser conduzido pelas autoridades judiciais, o Presidente angolano vincou que o princípio da separação dos poderes constitui "um marco que não se pretende violar" e negou estar a proteger Manuel Vicente. Ao recordar que Ex-Vice-Presidente da República já não exerce nenhum cargo no executivo, o Chefe de Estado sublinhou que não recai sobre ele a competência de retirar a imunidade de Manuel Vicente para ser julgado, a iniciativa de pedir ao parlamento o levantamento da imunidade do antigo governante estando nas mãos da justiça, indicou João Lourenço.

Durante esta entrevista colectiva, o Chefe de Estado Angolano referiu-se ainda ao Orçamento Geral do Estado adoptado há dias pela maioria dos deputados, com os votos contra da UNITA e CASA-CE na oposição, críticas relativamente a esta estratégia que a seu ver não dá espaço suficiente a medidas de índole social. A este respeito, o Chefe de Estado angolano sublinhou designadamente que vai ser multiplicada por 5 a dotação do sector da agricultura em 2019, passando dos actuais 0, 3 para 1,6% do orçamento de 2019.

Mais pormenores com Alberto de Jesus, em serviço de especial para a RFI.

Alberto de Jesus, a partir de Luanda, em serviço especial para a RFI 21/12/2018 ouvir