rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Prémio África África Lusófona Angola Direitos Humanos

Publicado a • Modificado a

Padre Wakussanga denuncia abandono do interior de Angola

media
Imagem de arquivo. KHALED DESOUKI / AFP

O padre Pio Wakussanga denunciou que o interior de Angola está "praticamente abandonado". O vencedor do prémio africano "Defensor de Direitos Humanos de 2018" apontou a distinção como um "estímulo" para "continuar a lutar".


O padre angolano Pio Wakussanga, responsável da ONG Construindo Comunidades em Angola, disse, em entrevista à Agência Lusa, que o país tem "grandes desafios no contexto dos direitos civis e políticos e um monte de direitos no contexto económico, social e cultural”.

"Basta olhar para o interior, para as zonas rurais e ver como é que o interior praticamente está abandonado. As políticas do desenvolvimento priorizam o litoral e as cidades próximas do litoral. Com esta crise – a crise económica, a crise de visão que o país vive - isto implica que temos de lutar imenso para que os líderes do executivo consigam prestar uma grande atenção para o desenvolvimento das comunidades do interior", declarou.

O sacerdote foi distinguido, a 13 de Novembro, em Joanesburgo, com o prémio africano "Defensor de Direitos Humanos de 2018", atribuído pela Southern African Human Rights Defenders Network (Rede de Defensores de Direitos Humanos da África Austral).

"É um estímulo e, ao mesmo tempo, é um grande desafio. Isto não é o fim da linha. Temos de continuar a lutar tendo em conta os grandes desafios que se colocam aos defensores aos direitos humanos, no contexto da luta pelos direitos económicos, sociais e culturais no caso de Angola", afirmou.

O também pároco da paróquia de Nossa Senhora de Fátima do Chiange, sede municipal dos Gambos, província angolana da Huíla, acrescentou que "é preciso potenciar a grande riqueza abandonada" no interior do país.

Padre Pio Wakussanga 23/11/2018 ouvir