rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Angola Brasil Eleições Jair Bolsonaro João Lourenço

Publicado a • Modificado a

Angola de olhos postos no Brasil

media
Jair Bolsonaro, o futuro Presidente do Brasil. REUTERS/Ricardo Moraes/Pool

O presidente angolano felicitou Jair Bolsonaro pela eleição como Presidente do Brasil e quer o aprofundamento das relações históricas bilaterais. Paulino Carvalho Neto, embaixador do Brasil em Angola, promete que as relações com Angola e África se vão manter.


Esta segunda-feira, o Presidente de Angola, João Lourenço, felicitou Jair Bolsonaro pela vitória e manifestou o desejo de um "impulso" no aprofundamento das relações históricas bilaterais.

Em declarações à agência Lusa, o embaixador do Brasil em Angola, Paulino Carvalho Neto, disse que a política brasileira para Angola e para África se vai manter, mesmo com a mudança de Presidente.

"As relações com Angola continuam e continuarão intensas e tradicionais. Já cooperamos com Angola em diversas frentes, na cooperação técnica, na saúde, na educação, além das relações comerciais, que são intensas, sem falar nas culturais, pois temos o Centro cultural Brasil-Angola em Luanda", afirmou, esta segunda-feira, em Luanda.

Paulino Carvalho Neto negou que Jair Bolsonaro “seja fascista" e recusou a existência de partidos extremistas no país.

"No Brasil não há extrema-direita nem extrema-esquerda. Há partidos conservadores de direita e partidos de esquerda. O Presidente eleito é um liberal conservador, não é um político de extrema-direita, ao contrário do que muitas vezes é dito, equivocadamente".

"Acho uma visão absolutamente equivocada essa ideia de usar a expressão ‘fascismo' sem saber exatamente do que se trata. Historicamente, o fascismo não foi isso e o Presidente eleito Bolsonaro está muito longe disso. É uma opinião, respeitável, mas equivocada", declarou.

Embaixador do Brasil em Angola, Paulino Carvalho Neto 30/10/2018 ouvir

 

A equipa de Jair Bolsonaro

Hoje, na primeira entrevista após a eleição, Jair Bolsonaro revelou que vai convidar o juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, para o Supremo Tribunal Federal ou para ser ministro da Justiça.

Bolsonaro disse que, nos próximos dias, deverá confirmar o nome do astronauta e major da reserva Marcos Pontes para o Ministério da Ciência e Tecnologia.

Até agora, foram confirmados os nomes do deputado federal Onyx Lorenzoni para o ministério da Casa Civil, o general na reserva Augusto Heleno para a Defesa e o economista Paulo Guedes para a Economia.