rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Imigrantes Política Garimpo Angola Lunda Norte Província Diamantes Ilegal Imigração Violências

Publicado a • Modificado a

Angola: Autoridades reprimem garimpo ilegal de diamantes

media
Garimpo. Imagem de Ilustração. protectoradodalunda.blogspot.fr/

A intervenção das autoridades visou pôr fim ao garimpo ilegal de diamantes, do qual se acredita que seja a principal causa da imigração ilegal, em várias províncias, principalmente na Lunda-Norte.


O dispositivo, conhecido como Operação Transparência, está a ser desenvolvido por efectivos da Polícia e das Forças Armadas Angolanas em várias províncias: Malanje, Lunda-Norte, Lunda-Sul, Bié, Moxico e Uíge.

O porta-voz da Operação Transparência levada a cabo pelo Governo Angolano, António Bernardo, fez um balanço da operação que começou a 26 de Setembro.

António Bernardo, Porta-voz da Operação Transparência, fez um balanço da operação 10/10/2018 ouvir

Além de abordar o número de imigrantes que regressaram ao seu país, a RDC, cerca de 180 mil, António Bernardo falou no caso específico do município de Cambulo.

António Bernardo, Porta-voz da Operação Transparência 10/10/2018 ouvir

Populares da Lunda Norte deram a opinião sobre a iniciativa levada a cabo pelo Governo Angolano, Operação Trasnparência, para pôr fim à imigração ilegal e ao garimpo ilegal de diamantes na Lunda Norte.

Populares da Lunda Norte dão a opinião sobre a Operação Transparência 10/10/2018 ouvir

Apesar de ninguém falar de violências nos ‘regressos’ dos imigrantes, as nossas informações dão conta que no passado fim-de-semana, pelo menos 12 pessoas morreram. Os desacatos começaram com um grupo de garimpeiros congoleses que agrediram cidadãos angolanos e a polícia, isto após o pedido das autoridades para os imigrantes saírem do país de forma voluntária.

No entanto sabe-se ainda que muitos dos ditos ‘estrangeiros’ alegam ser angolanos, enquanto outros procuram convencer que estão legalizados pelos documentos que apresentam, mas as autoridades não reconhecem essa legalização. A violência resultou na morte de um menino angolano, de dez congoleses, e de um polícia.

Com a colaboração do nosso correspondente em Angola, Daniel Frederico.