rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Angola Manuel Vicente João Lourenço Portugal CPLP Cimeira CPLP 2018

Publicado a • Modificado a

António Costa "brevemente" em Angola

media
O primeiro-ministro, António Costa (esq) durante um encontro com o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O primeiro-ministro português deve deslocar-se a Angola até ao final de Setembro. Manuel Augusto, ministro das Relações Exteriores de Angola, levou a Lisboa uma mensagem do presidente João Lourenço.


O presidente português acreditou esta terça-feira o novo embaixador de angola no país, Carlos Alberto Fonseca. Ontem, Marcelo rebelo de Sousa recebeu o chefe da diplomacia de Luanda, que se deslocou a Lisboa para prepara a visita de António Costa a Angola.

O primeiro-ministro português deve deslocar-se a Angola até ao final de Setembro. Esta segunda-feira esteve em Lisboa Manuel Augusto, ministro das Relações Exteriores de Angola, que à capital portuguesa levou uma mensagem do presidente João Lourenço.

Esta visita tem por objectivo principal preparar a próxima visita oficial” do primeiro-ministro de Portugal a Angola “que terá lugar muito brevemente” sublinhou o líder da diplomacia angolana. Acrescenta Manuel Augusto que “as relações [entre os dois países] são já excelentes mas têm ainda um potencial para melhorar”.

Na capital portuguesa, Manuel Augusto manteve conversações bilaterais com o seu homólogo Augusto Santos Silva, antes reuniu-se com António Costa e com Presidente do país Marcelo Rebelo de Sousa. Esta terça-feira participa no Fórum EuroÁfrica.

A abertura de Angola ao resto do mundo não é consequência de qualquer irritante” com Portugal, “talvez estejamos a assistir a um novo estilo de fazer política”, frisou o ministro das Relações Exteriores de Angola.

Sobre a cimeira da CPLP, que se realiza na próxima semana em Cabo Verde, e em particular sobre a proposta luso-cabo-verdiana sobre a mobilidade, Manuel Augusto sublinha que “a livre circulação será sempre um objectivo a atingir”, mas “trata-se de uma comunidade de 200 milhões” e, por isso, os estados têm de ser responsáveis para depois não existirem arrependimentos.

Manuel Augusto, ministro das Relações Exteriores de Angola 10/07/2018 ouvir