rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Angola Petróleo Total João Lourenço Energia Água Desenvolvimento

Publicado a • Modificado a

Empresários franceses à conquista do mercado angolano

media
Petrolífera francesa Total opera ao largo de Cabinda REUTERS/Charles Platiau

Relações bilaterais entre Luanda e Paris conhecem um novo clima de confiança política desde a recente visita do Presidente João Lourenço a França, que será retribuida em 2019 pelo Presidente Emmanuel Macron.


Angola e França criaram as condições político-diplomáticas, para relançar a cooperação económica em vários domínios, nesse sentido desde sábado e até amanhã (8/06) decorre em Luanda um encontro empresarial nos sectores da energia, águas e desenvolvimento urbano, organizado pela Embaixada de França, o Ministério da Energia e Águas de Angola e o Governo Provincial de Luanda.

Neste encontro participam mais de vinte empresários franceses, que exploram as possibilidades de investimentos.

Avelino Miguel, correspondente em Luanda 07/06/2018 ouvir

Os sectores da energia, águas, saneamento básico, agricultura, transportes, telecomunicações, entre outras áreas, interessam as empresas francesas que esperam que Angola, crie um bom ambiente de negócios para atrair investimentos.

Neste momento, a cooperação económica entre os dois países é dominada pelo sector petrolífero, no qual a empresa francesa Total, anunciou novos investimentos nomeadamente na distribuição de combustíveis.

O Executivo do Presidente João Lourenço, no plano económico tem como prioridade, a diversificação da economia e a libertação do país da dependência do petróleo.

Segundo o embaixador francês Sylvain Itté, está prevista até ao final de 2018 a visita a Angola do ministro francês da agricultura e alimentação Stephan Travert e simultaneamente deverá ser organizado um encontro com empressas francesas das áreas agrícola e da agro-indústria.

A visita de Estado a França do Presidente João Lourenço entre 28 e 29 de Maio, que deverá ser retribuida em 2019 pelo Presidente Emmanuel Macron, culminou com a assinatura de vários acordos de cooperação bilateral, orçados em mais de mil milhões de euros