rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Bélgica União Europeia República Democrática do Congo

Publicado a • Modificado a

Angola reforça cooperação com Bruxelas e UE

media
Presidente angolano João Lourenço e a esposa, Ana Dias Lourenço, com o rei Filipe e a rainha Matilde em Bruxelas a 4 de Junho de 2018. AFP

O presidente angolano efectua até esta terça-feira uma visita oficial à Bélgica. Hoje em Bruxelas João Lourenço avistou-se com as autoridades belgas e europeias. Amanhã o estadista angolano desloca-se a Antuérpia, capital mundial da indústria dos diamantes. João Lourenço avistou-se já com o rei Filipe e com o primeiro-ministro belga Charles Michel.


O presidente angolano foi também recebido nas instâncias da União Europeia tendo mantindo encontros com Donald Tusk, presidente do Conselho europeu, e com Federica Mogherini, alta representante da UE para a política externa.

Discursando perante empresários belgas João Lourenço garantiu que está a levar a cabo "uma verdadeira cruzada contra a corrupção e a impunidade".

O presidente angolano que chegou a Bruxelas ainda no domingo tendo sido acolhido, nomeadamente, pelo novo embaixador de Angola na Bélgica, George Chikoti, antigo chefe da diplomacia.

Manuel Augusto, o seu sucessor na liderança do Ministério angolano das relações exteriores, enfatizou as vertentes bilateral (entre Angola e a Bélgica) e multilateral (entre Angola e a União Europeia) desta deslocação.

A vertente económica (empresarial, mas também amanhã a visita a Antuérpia, capital mundial do diamante) faz parte da visita.

Manuel Augusto garantiu ainda que a situação na vizinha República democrática do Congo, que deve cumprir eleições a 23 de Dezembro deste ano, deveria ser abordada nestes fóruns.

João Lourenço apelara na semana passada numa entrevista exclusiva à rfi aquando da sua visita a França para que se desse o "benefício da dúvida" a Joseph Kabila quanto ao respeito dos Acordos de São Silvestre (prevendo eleições, sem a presença do presidente cessante).

Com a colaboração das agências angolana Angop e portuguesa Lusa.