rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Angola Pobreza Diamantes Manifestação Lunda Norte Lunda Sul João Lourenço Autonomia Província

Publicado a • Modificado a

3 províncias do leste de Angola manifestam contra a pobreza

media
Diamante bruto AFP PHOTO/ ISSOUF SANOGO

Sob o lema "apoiamos o combate as assimetrias regionais" o movimento cívico Akwa Mana ou "sábios" em português, convocou este domingo manifestações em várias províncias do leste de Angola, que decorreram sem incidentes.


As manifestações convocadas pelo grupo de activistas do movimento cívico "AKWA MANA" (sábios em português) mobilizaram este domingo (15/04) centenas de cidadãos nas províncias da Lunda-Norte, Lunda-Sul e Moxico, para reivindicar a melhoria de condições de vida das populações locais a uma melhor distribuição do Rendimento Nacional.

Avelino Miguel, correspondente em Luanda 16/04/2018 ouvir

As populações do leste de Angola, região rica em diamantes, vivem imensas dificuldades, como falta de habitações condignas, de saneamento básico, de água potável e electricidade, de hospitais provinciais, de indústrias transformadoras, condições agravadas pela degradação das vias rodoviárias, o que impede o abastecimento regular de bens e serviços.

As províncias das Lundas Norte e Sul e do Moxico enquadram-se no grupo das regiões menos desenvolvidas de Angola, apesar das suas enormes potencialidades económicas.

A recente reunião da Comissão Económica do Conselho de Ministros realizada no leste de Angola e orientada pelo Presidente João Lourenço, visou identificar os principais problemas destas três províncias cuja maioria da populaçao vive na extrema pobreza e os manifestantes exigiram o comprimento das promessas feitas durante a campanha eleitoral e esta visita.

A região das Lundas já conta com o Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwe, que reivindica uma autonomia, recorrendo um Tratado de Protectorado celebrado durante a colonização portuguesa.

Além disso desde Março de 2017 a Lunda Norte acolheu mais de 30 mil refugiados congoleses, fugindo aos conflitos na região fronteiriça do Kasai, na RDC.