rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Angola Rádio Liberdade de imprensa

Publicado a • Modificado a

Angola : Rádio Ecclesia vai emitir para todo o território

media
João Lourenço, Presidente de Angola JOOST DE RAEYMAEKER/LUSA

O Presidente angolano, João Lourenço, deu uma conferência de imprensa no passado dia 8 de Janeiro, em Luanda, na qual estiveram presentes jornalistas dos órgãos de comunicação públicos e privados angolanos, assim como correspondentes nacionais e internacionais. A futura expansão da Rádio Ecclesia a todo o território foi um dos assuntos evocados por João Lourenço. 


Foi a primeira vez, desde a independência de Angola, que o Presidente da República dava uma conferência de imprensa, abrindo assim uma nova era na governação do País, e marcando também uma nova dinâmica entre a presidência e os “media”, abordando os mais variados assuntos.

Um dos temas candentes foi a expansão da Rádio Ecclésia, emissora católica, a todo o território nacional, após mais de vinte anos de luta.

Quanto à liberdade de imprensa e liberdade de expressão, e nomeadamente à futura expansão da Rádio Ecclesia a todo o território, João Lourenço afirmou que “é um velho problema, mas que considero falso, porque nós defendemos a liberdade de expressão e de imprensa, e não foi só feito no período de campanha para captação de voto, mas porque entendemos que devemos não só defender como promover essas das liberdades”.

Oiça aqui as palavras de João Lourenço :

 

Presidente angolano, João Lourenço, sobre a Rádio Ecclesia 12/01/2018 ouvir

 

Por seu turno, o jurista angolano Arão Bula Tempo saudou a decisão do Presidente, lembrando - no entanto - que "as palavras podem ser ditas, mas o Presidente terá de tomar medidas sérias" para efectivar o que anunciou.

Em entrevista concedida a Michel Arsenault, jornalista da RFI, o jurista cabindês, defensor dos direitos humanos, lembrou que durante quarenta e dois anos, o Governo angolano não quis que os "media" chegassem a todo o território nacional, e muito menos a Cabinda, para não dar a possibilidade ao povo de expandir as situações horríveis que ali se passam.

Oiça aqui :

 

Jurista Arão Bula Tempo 12/01/2018 ouvir