rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Aeroporto Angola TAAG exoneração Empresas João Lourenço José Eduardo dos Santos Porto Água

Publicado a • Modificado a

Angola : 9 empresas públicas com novos dirigentes

media
João Lourenço, Presidente de Angola REUTERS/Stephen Eisenhammer

O Presidente João Lourenço procedeu esta terça-feira à exoneraçao e nomeação de novos dirigentes em nove empresas públicas angolanas cruciais para a economia do país, como a TAAG, aeroportos, portos, caminhos de ferro e distribuição de electricidade e água.


O Presidente João Lourenço exonerou e nomeou por decreto 64 administradores para 9 das principais empresas públicas do país, no cumprimento do seu plano de reestruturação do sector empresarial do Estado.

Têm novas direcç:ões: a companhia aérea de bandeira - TAAG - dos caminhos de ferro de Luanda - CFL- Benguela - CFB - e Moçâmedes - CFM - da Empresa Pública de Água e Electricidade - ENDE - da Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e Navegação Aérea - ENANA.

Avelino Miguel, correspondente em Luanda 20/12/2017 ouvir

O Presidente João Lourenço prometeu aos angolanos uma gestão transparente das empresas públicas, que segundo ele, devem contar com quadros competentes, defendeu a necessidade de moralização da sociedade e um combate sério a práticas que lesam o interesse público, como garantia de que a impunidade tenha os dias contados.

O chefe de Estado angolano nomeou igualmente esta terça-feira (19/12) o general Hélder Fernando Pitra Grós para Procurador-Geral da República, em substituição do também general João Maria Moreira de Sousa, cujo segundo mandato expirou a 3 de Dezembro.

Hélder Fernando Pitra Grós foi simultaneamente exonerado do cargo de vice-Procurador Geral da República, tendo sido substituido por Adão Adriano António.

Em menos três meses o Presidente João Lourenço, que tomou posse a 26 de Setembro nomeou cerca de 300 pessoas, exonerou mais de 30 oficiais generais e cerca de 20 administrações de empresas públicas, nas áreas petrolífera, diamantes, comunicação social, Banco Nacional de Angola, bancos comerciais detidos pelo Estado, acrescidas agora de nove outras empresas públicas estratégicas para a economia angolana.

O antigo Presidente José Eduardo dos Santos, que continua presidente do MPLA, ainda não se referiu publicamente às exonerações efectuadas por João Lourenço, que por sua vez também não justificou entre outras as demissões dos seus filhos: Isabel dos Santos que deixou a Sonangol, ou ainda Welwitshea "Tchizé" dos Santos e José Paulino dos Santos "Coréon  Du" cuja sociedade Semba Comunicações perdeu a gestão do canal 2 da Televisão Pública de Angola.