rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Eleições gerais angolanas 2017 CNE Luanda Registo Eleitoral Angola África Lusófona

Publicado a • Modificado a

Plataformas de monitoria das eleições em Angola

media
Logótipo da plataforma JIKU em Angola DR/Plataforma JIKU

Plataforma Jiku do Movimento Handeka de monitoria das eleições gerais de 23 de Agosto, denuncia problemas logisticos no registo eleitoral que obrigam angolanos a votarem em provínicias distantes das suas zonas de residência.  


Vários aplicativos estão disponíveis para monitorizar as eleições gerais de 23 de Agosto em Angola : casos de Zuela palavra da língua kimbundo que significa "fala" criada pela organização Friends of Angola e impulsionada pelo professor universitário e activista Domingos da Cruz, ou o Movimento Handeka criado por personalidades como o antigo primeiro-ministro Marcolino Moco e o rapper e activista Luaty Beirão.

Handeka tem a plataforma JIKU cujos representantes se reuniram esta segunda-feira (21/08) com membros da Comissão Nacional de Eleições, que avançaram que a CNE está a negociar com empresas de transportes públicos da província de Luanda a deslocação dos eleitores, que se encontram a mais de 5 kms das mesas de voto.

Quanto aos cidadãos deslocalizados fora da zona da província de conforto a CNE ainda não tem qualquer informação para dar.

Afirmou à RFI, Laura Macedo, do Movimento Handeka e colaboradora da Jiku.

Laura Macedo da Associação Handeka em Angola 21/08/2017 ouvir

"Nós começámos a publicar testemunhos de pessoas que vivem numa província e foram deslocadas para outra, distante, que não têm como chegar lá (...)

"A porta-voz da CNE, senhora Júlia Ferreira, veio a público, e disse que a CNE ia ajudar as pessoas que tivessem sido recolocadas a mais de 5 quilómetros de distância; até hoje, não tinha dado mais nenhuma informação".

"Então, hoje, nós, em nome da JIKU, deslocámos à CNE (...) e conseguimos obter a informação de que a CNE estava a negociar em Luanda, com empresas de transportes públicos existentes, para fazerem rotas inter-municipais, para ajudarem o cidadão até à sua mesa de voto (...)".

"Num universo de 168 mil pessoas, nós constatámos, 25 mil, fora da província de Luanda e 55 mil fora do seu município".