rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Quénia África Angola Cabo Verde Moçambique Malária Gana Malawi Vacina OMS Paludismo

Publicado a • Modificado a

Cabo Verde pode erradicar Malária em 2020

media
Cabo Verde pode erradicar malária em 2020 Getty Images

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, Cabo Verde integra uma lista de seis países africanos que podem erradicar a malária até 2020. A informação foi divulgada no dia em que se assinala em todo o mundo a jornada de combate à Malária.


Apesar de Cabo Verde ter registado casos de Malária em 2015 e 2016, a Organização Mundial de Saúde-OMS- acredita que o país poderá erradicar a doença em 2020. Juntam-se a Cabo Verde outros cinco países africanos, a África do Sul, Argélia, Botsuana, Comores e Suazilândia. A notícia foi bem recebida pela coordenadora Nacional do programa alargado de vacinação e saúde infantil de Cabo Verde, Evanilda Santos, que reconhece a importância do trabalho de prevenção que tem sido efectuado no país.

"Cabo Verde tem feito um grande esforço para que os resultados, em relação ao paludismo, sejam os melhores. Em 2015 e 2016 tivemos casos de crianças com paludismo, as estratégias foram direccionadas no sentido da prevenção e as pessoas têm aderido às campanhas de sensibilização", admite a responsável.

Angola e Moçambique de fora

De fora desta lista ficam Angola e Moçambique. De acordo com dados divulgados pela OMS, os dois países juntos representam 7% dos casos de malária em todo o mundo. Só em 2015 14 mil pessoas perderam a vida em Angola por causa da malária e 15 mil pessoas em Moçambique, onde a doença continua a ser a principal causa de morte.

No grupo dos 21 países que poderão erradicar o paludismo até 2030 figuram Timor Leste e São Tomé e Príncipe.

Gana, Quénia e Malawi testam vacina

A organização Mundial de Saúde escolheu o Gana, Quénia e Malawi para testar a primeira vacina contra a malária em 2018. O teste será realizado em crianças dos 5 aos 17 meses e segundo a OMS o programa piloto vai avaliar o potencial da vacina na redução de mortes na infância e a segurança da mesma no uso rotineiro.