rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Chile Floresta Incêndio Morte

Publicado a • Modificado a

Novo incêndio florestal no Chile deixa um morto

media
Bombeiro controla incêndio no Parque Torres del Paine, no sudoeste da Patagônia, neste domingo. REUTERS/Stringer

Um novo foco de incêndio no município chileno de Quillón deixou pelo menos um morto e já arrasou 8 mil hectares de terras. A vítima era um homem de 75 anos, que segundo a mídia local se recusou a deixar sua casa. Há cinco dias, um batalhão de 600 bombeiros tenta apagar o incêndio no Parque Nacional del Paine, na Patagônia, onde outros 13 mil hectares de terras foram devastados pelo fogo.


O incêndio fatal desta segunda-feira faz parte de outros cinco focos de fogo que afetam os municípios de Flórida e Quillón, situados 500 quilômetros ao sul de Santiago. O vento forte e as altas temperaturas atiçaram as chamas nas últimas horas, provocando preocupação nas autoridades chilenas. A Oficina Nacional de Emergências (Onemi) decretou alerta vermelho nas províncias de Concépcion e Nuble, ambas na região de Biobío.

O fogo causou a destruição de pelo menos 30 casas e obrigou as autoridades a evacuar de cerca de 500 moradores. O tráfego em estradas da região foi interrompido devido à falta de visibilidade gerada pela fumaça. Pelo menos 300 homens da defesa civil trabalham na zona afetada pelo sinistro. A empresa Celulosa Arauco, derivados de madeira, foi destruída pelas chamas. O diretor da Onemi, Vicente Nunez, disse não ser possível descatar a hipótese de incêndio provocado intencionalmente, devido ao modo de propagação das chamas.

Bombeiros estabilizam incêndio na Patagônia

A 3 mil quilômetros de Santiago, no sul do país, os bombeiros conseguiram estabilizar o fogo no Parque Nacional Torres del Paine, na Patagônia, conforme confirmou o presidente chileno, Sebastián Piñera. 

Rotem Singer, o turista israelense de 23 anos detido sábado pela guarda florestal, acusado de criar o incêndio ao queimar um rolo de papel higiênico no interior do parque, negou qualquer responsabilidade. Ele compareceu nesta segunda-feira diante de um tribunal e fez questão de defender sua inocência. Afirmando ser muito importante para ele que as circunstâncias do incidente sejam esclarecidas, ele disse que um guarda florestal que o interrogou não entendeu o que ele disse a respeito do papel queimado. "Houve um mal-entendido de tradução", garantiu o israelense.

As chamas no Parque Nacional Torres del Paine já consumiram 13 mil hectares da reserva.