rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Convidado
rss itunes

Sonho angolano e guineense acabou no Egipto

Por Marco Martins

O sonho acabou para a Guiné-Bissau e Angola. As expectativas eram grandes e tudo ainda era possível à entrada para a derradeira jornada do Grupo F e E.

Os dois países lusófonos tinham tudo nas mãos. Angola precisa apenas um ponto para ser um dos melhores terceiros, enquanto a Guiné-Bissau tinham de vencer para chegar aos oitavos.

No entanto nada correu como os dois países lusófonos esperavam. Os Palancas Negras acabaram por perder por 1-0 frente ao Mali, enquanto os Djurtus foram derrotados por 2-0 pelo Gana.

No fim do encontro Srdjan Vasilejvic, treinador sérvio da Selecção angolana, tirou pontos positivos da participação, e pediu desculpa ao povo angolano.

Ouça igualmente as entrevistas de Tony Cabaça, guarda-redes angolano de 33 anos, e de Jonathan Buatu, defesa angolano de 23 anos.

Angola terminou no terceiro lugar no grupo E com dois pontos, sendo um dos piores terceiros.

Quanto à Guiné-Bissau perdeu por 2-0 frente ao Gana e acabou por ser eliminada.

No fim do jogo, Baciro Candé, seleccionador guineense, admitiu que o jogo foi decidido num momento de falta de atenção da sua equipa.

Ouça igualmente as entrevistas de Mama Baldé, avançado guineense de 23 anos, e de Moreto Cassamá, médio de 21 anos dos Djurtus.

A Guiné-Bissau terminou no último lugar no Grupo F com um ponto.

Angola: José Eduardo dos Santos "não goza de qualquer imunidade alargada"