rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Nigéria Ataques Confrontos Morte Agricultores Muhammadu Buhari Boko Haram Muçulmano

Publicado a • Modificado a

Pelo menos 86 mortos no centro da Nigéria

media
nigéria: criadores de gado nómadas da etnia fula REUTERS/Afolabi Sotunde

 

Confrontos entre criadores de gado nómadas da etnia fula e agricultores, causaram pelo menos 86 mortos, no estado do Plateau, no centro da Nigéria.


Segundo as autoridades, três pessoas foram detidas e os responsáveis pelos ataques são criadores de gado nómadas da etnia fula e/ou muçulmanos, que se opoem a agricultores na região de Barikin Ladi, estado do Plateau, no centro da Nigéria, palco recorrente de violências inter-comunitárias, étnicas e religiosas.

Estes ataques provocaram ainda seis feridos e 50 casas foram incendiadas, foi imediatamente decretado o recolher obrigatório na região, onde nas últimas décadas confrontos idênticos causaram milhares de mortos.

86 mortos no centro da Nigéria este fim de semana 25/06/2018 ouvir

Ontem (24/06) jovens da etnia Berom ergueram barricadas no eixo rodoviário que liga Jos, a capital do estado à capital federal Abuja, no intuito de atacarem automobilistas fulas e muçulmanos, segundo uma testemunha que escapou aos ataques, que teriam causado pelo menos seis mortos e a destruição de vários veículos.

O jornal nigeriano Vanguard fala de 120 mortos com armas de guerra este fim de semana na região do Plateau e o presidente Muhammadu Buhari, que é da etnia fula, pediu calma à população e afirmou que não serão poupados esforços para encontrar os responsáveis pelos ataques.

De recordar que a Nigéria é um país divido por questões étnicas, religiosas e  raciais, sendo que o sul é predominantemente cristão e o norte muçulmano.

Segundo alguns analistas os conflitos inter-comunitários poderão tornar-se no principal problema de segurança na Nigéria, ultrapassadno a insurreição islâmica perpetrada pelo grupo Boko Haram, que já causou mais de 20 mil mortos e cerca de 2,3 milhões de deslocados desde 2009 no nordeste do país.