rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Air France Tribunal Falência Companhia Aigle Azur Sindicatos

Publicado a • Modificado a

Destino da Aigle Azur nas mãos da Justiça

media
Un Airbus A320 da Aigle Azur quando aterrava no aeroporto de Orly no dia 6 de Setembro de 2019. REUTERS/Benoit Tessier

O Tribunal de Comércio de Evry, no sul da região parisiense começou a examinar na segunda-feira as propostas de aquisição da companhia aérea Aigle Azur, enfraquecida por dívidas e ameaçada de falência. Os sindicatos da companhia privada francesa solicitaram ao tribunal uma nova avaliação do estado da empresa, para que os potenciais compradores de Aigle Azur, isto é, a Air France e o grupo Dubreuil, melhorem a sua oferta.


De acordo com Sonia Arrouas, presidente do Tribunal de Comércio de Evry, houve um pedido de reavalição da empresa, de forma que os compradores interessados por Aigle Azur, possam melhorar a sua oferta.

Para além das ofertas efectuadas pela Air France e o grupo Dubreuil, existem mais três propostas de compra.

Os juízes poderão designar um comprador ou então ordenar a falência da companhia aérea. Segundo os analistas, os juízes são susceptíveis de adiar a sua decisão.

Uma outra possibilidade consiste em deferir o pedido dos sindicatos CFDT e CFTC, maioritários no seio de Aigle Azur, adiar o julgamento, bem como conceder um prologamento da actividade companhia, durante uma ou duas semanas, de forma a transformar as ofertas de Air France e do grupo Dubreuil num plano de cessão.

Paralelamente os dois sindicatos propuseram numa carta conjunta, ao Tribunal, que seja negociado no seio da empresa um acordo de productividade colectiva.

O acordo tem como objectivo facilitar a sua venda no âmbito da recuperação, depois de uma declaração de falência.

Segundo a presidente do Tribunal do Comércio de Evry, Sonia Arrouas, prioridade será dada a salvaguarda dos empregos.

A Aigle Azur regista um passivo de 148 milhões de euros e de acordo com o Tribunal, até possívelmente superior, uma vez que as contas da empresa não tinha sido certificadas.

Declarada insolvente e em inactividade desde 7 de Setembro, a Aigle Azur transportou, em 2018, 1,88 milhão de passageiros, principalmente para a Argélia, Líbano, Portugal, Rússia, Brasil e o Mali.

A companhia emprega cerca de 1.150 pessoas, das quais 800 em França e 350 na Argélia.