rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França G7 G8 Rússia Ucrânia Reino Unido Brexit Nuclear

Publicado a • Modificado a

Macron revelou temas do G7

media
Presidente russo, Vladimir Putin, um dos grandes ausentes da cimeira de Biarritz deste fim de semana, será tema incontornável na agenda do G7 (aqui com o presidente francês em Brégançon a 19 de Agosto de 2019). Gerard Julien/Pool via REUTERS

A França dirige actualmente o G7, grupo das maiores potências industriais do mundo. Uma cimeira deste fórum arranca já em Biarritz, sudoeste do país, neste sábado pelo que há instantes o chefe de Estado, Emmanuel Macron, falou à imprensa aqui em Paris sobre os temas que vão marcar o encontro.


É pertinente que a Rússia reintegre o grupo, que se voltaria a reunir no formato G8, admitiu Emmanuel Macron, reagindo à proposta da véspera do seu homólogo americano, Donald Trump, nesse sentido.

Mas com a condição prévia de se encontrar uma solução com a Ucrânia, explicou o presidente francês.

De lembar que a Rússia, após a anexação da Crimeia em 2014, foi suspensa do bloco.

Ao receber nesta segunda-feira em Brégançon, sul de França, o seu homólogo russo, Vladimir Putin, Macron tinha proposto nas próximas semanas uma cimeira entre a França, mais a Rússia, a Ucrânia e a Alemanha, um encontro no chamado formato "Normandia".

Sobre o Irão o anfitrião do G7 promete falar ainda antes da reunião com as autoridades de Teerão, já que o caso iraniano é um pomo de discórdia no seio do grupo.

Sobre os ataques do exército sírio contra Idlib Macron alega que o fórum não pode ficar calado e terá que enviar uma mensagem humanitária clara.

Emmanuel Macron e os dossiers da reunião do G7 de Biarritz 21/08/2019 ouvir

O presidente francês, no que diz respeito ao Brexit, alega esperar por clarificações do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, com o qual se avista nesta quinta-feira em Paris insistindo, mesmo em caso de saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo, na necessidade de se preservar a liberdade de circulação de pessoas.

Um Brexit duro para Londres não poderia ser compensado, segundo Macron, por uma aproximação com Washington onde o Reino Unido seria o "parceiro júnior" dos americanos.

Macron reagiu também às críticas contra a França das grandes empresas da área digital, como as americanas Google ou Apple, a propósito da chamada taxa GAFA, que se tratariam de grupos com"um estatuto de paraíso fiscal permanente", rematou o presidente francês.