rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Urgente
Itália: Primeiro-ministro apresentou a sua demissão

Governo Moçambique Ataques Cabo Delgado Ajuda humanitária Nações Unidas

Publicado a • Modificado a

Governo moçambicano preocupado com ataques em Cabo Delgado

media
Distribuição de ajuda alimentar em Sunate, localidade do norte de Moçambique, na sequência da passagem do ciclone Kenneth. Lusa / António Silva

Em Moçambique o executivo está preocupado com os novos ataques em Cabo Delgado, que condicionam a chegada de ajuda às familias afectadas pelo ciclone kenneth.O coordenador das operações humanitárias das NaçõesUnidas, na citada província, afirmou que tudo está a ser feito para que a assistência às populações prossiga normalmente, mas ele não poderá negligenciar a segurança do seu pessoal.


Dois ataques armados registados na Sexta-feira e no Sábado, no distrito de Macomia e levados a cabo por grupos desconhecidos resultaram na morte de várias pessoas.

O registo de vários óbitos preocupa as organizações humanitárias que procuram fazer chegar ajuda às vitimas do ciclone Kenneth. Saviano Abreu, coordenador para os assuntos humanitários das Nações Unidas,declarou que as tarefas de assistência às populações vão prosseguir, mas que ele não poderá colocar em perigo as vidas do pessoal envolvido na ajuda.

A directora geral do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades INGC,Augusta Maita, considerou a situação preocupante depois dos ataques ocorridos.

Maita afirmou que não existem indicações de uma suspensão da ajuda humanitária, contudo, segundo ela verificou-se uma determinada agitação. Augusta Maita realçou que as Forças de Defesa e Segurança controlam a situação.

As suas declarações foram confirmadas pelo Vice-Ministro da Defesa de Moçambique, Patricio José, que sublinhou o facto de a presença das forças de segurança ter evitado o pior.

As várias organizações humanitárias que trabalham na província nortenha de Cabo Delgado, apontam também a inacessibilidade de algumas zonas, em consequência das chuvas que danificaram estradas, como outro obstáculo ao encaminhamento da ajuda aos sinistrados da região.