rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

São Tomé e Príncipe Polícia Judiciária Ministério Ministro Queixa-crime

Publicado a • Modificado a

São Tomé e Príncipe: Polícia Judiciária reage sobre indiciamento de ex-ministros

media
Mapa de São Tomé e Príncipe DR

A Polícia Judiciária são-tomense promete prosseguir o seu trabalho de investigação dos crimes em que estão envolvidos figuras públicas, não obstante algumas dissonâncias,com o Ministério Público, que eclodiram com a detenção dos ex-ministros Américo Ramos das Finanças e Carlos Vila Nova das Obras Públicas. A PJ através da sua directora, Maribel Rocha, afirma que vários antigos ministros,do governo de Patrice Trovoada, estão indiciados em crimes, como branqueamento de capitais e enriquecimento ilicito. Mais pormenores com Maximino Carlos, nosso correspondente em São Tomé e Príncipe.


A Directora da Policia Judiciária, Maribel Rocha afirmou num comunicado lido a imprensa ,que com base em queixa crime alguns ex-ministros estão indiciados em vários crimes como branqueamento de capitais e enriquecimento ilícito.

Acusações mútuas entre o Ministério Público e a Policia Judiciária têm vindo adensar relativamente aos procedimentos, no que toca à detenção dos ex-ministros Américo Ramos e Carlos Vila Nova.

A Diretora da PJ afirma que foi o Ministério público que validou a detenção de Américo Ramos. O Ministério Público ,por intermédio de Kelve Nobre de Carvalho reagiu, qualificando de usurpação de poderes adstritos à Procuradoria Geral da República, por parte da Polícia Judiciária.

No âmbito das actuais investigações sobre os crimes imputados à Ramos e à Vila Nova, a directora da Polícia Judiciária, Maribel Rocha, previu relações difíceis entre duas instituições.