rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Síria forças Curdos Forças Democráticas Sírias (FDS) ofensiva militar Petróleo

Publicado a • Modificado a

Síria:ofensiva final contra Daech

media
Um membro das Forças Democráticas Sírias (FDS) em Hajin, na província de Deir Ezzor, em meados de Dezembro de 2018. Delil SOULEIMAN / AFP

Prosseguem os violentos recontros entre as Forças Democráticas Sírias, apoiadas pela coligação liderada pelos Estados Unidos, e o último reduto de jiadistas do autodenominado Estado Islâmico, no leste da Síria. As Forças Democráticas Sírias anunciaram,que a ofensiva tem como objectivo pôr termo definitivamente ao que resta, do califado autoproclamado pelo iraquiano Al-Baghdadi.


Depois de uma trégua de mais de uma semana, as FDS( Forças DEmocrátias Sírias ), anunciaram no sábado uma ofensiva final contra o último reduto dos jiadistas do Estado Islâmico, no leste da Síria.

Segundo um comandante das FDS, estão em curso violentos confrontos e as suas forças efectuam uma progressão contra os jiadistas.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, apoiadas pela força aérea e a artilharia da coligação liderada pelos americanos, as Forças Democráticas Sírias avançam através dos campos de cultura.

O responsável pelo Observatório Sírio, Rami Abdel Rahman, afirmou que os combates prosseguem, resultando nomeadamente nas explosão de minas anti-pessoal.

Sublinhe-se que as Forças Democráticas Sírias, formadas essencialmente por combatentes curdos, iniciaram no mês de Setembro de 2018 a sua ofensiva para expulsar os jiadistas do Estado Islâmico da província síria de Deir Ezzor, rica em petróleo.

Segundo Mustafa Bali, porta-voz das Forças Democráticas Sírias, pelo menos 600 jiadistas, na sua maioria estrangeiros, encontram-se numa zona entre o rio Eufrates e a fronteira iraquiana.

Todavia Bali acrescentou , que o líder do autoproclamado califado islamista, o iraquiano Abu Bakr al-Baghdadi, provávelmente não se encontra no último reduto dos jiadistas.

A organização Observatório Sírio para os Direitos Humanos, sediada no Reino Unido, informou que desde Setembro de 2018 morreram 1.270 militares do autodenominado Estado Islâmico, 670 combatentes das FDS ( Forças Democráticas Sírias ), bem como 400 civis.

As FDS mantêm actualmente sob custódia, nas zonas sob seu controlo, centenas de estrangeiros acusados de pertencer aos extremistas do Daech, assim como membros das suas famílias, designadamente crianças.