rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Alemanha Tratado Angela Merkel Emmanuel Macron Diplomacia

Publicado a • Modificado a

Acordo franco-alemão reforça cooperação diplomática

media
O Presidente Emmanuel Macron e a chanceler Angela Merkel assinam o Tratado de Aachen (Aix-la-Chapelle).22 de Janeiro de 2019 REUTERS/Wolfgang Rattay

Em Aachen (Aix-la-Chapelle), a chanceler alemã Angela Merkel e o Presidente francês Emmanuel Macron assinaram nesta terça-feira um novo acordo que visa reforçar o Tratado do Eliseu rubricado em 1963 por Charles de Gaulle e Konrad Adenauer.


Contestado por uns e sem ambição para outros, o Tratado de Aachen ou de Aix-la-Chapelle, prevê nomeadamente consultas mais estreitas entre a França e a Alemanha no quadro diplomático, bem como uma iniciativa conjunta para que Berlim se torne membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

O acordo de Aix-la-Chapelle completa o assinado em 22 de Janeiro de 1963 por Konrad Adenauer e Charles de Gaulle, nos domínios da defesa, diplomacia, economia e cooperação transfronteiriça, bem como estabelece uma série de grandes princípios e quinze projectos prioritários.

Considerado pouco ambicioso pelos analistas, o acordo prevê em matéria de segurança e diplomacia que os dois países , que se guerrearam por três vezes desde 1870, aprofundem a sua cooperação em matéria de política estrangeira, e defesa externa e interna, não obstante as divergências recorrentes entre Paris e Berlim sobre as atrás citadas questões.

Em caso de agressão, os dois países, cujas forças armadas vão reforçar a cooperação, defender-se-ão mútuamente. Nesta perspectiva, o acordo de Aachen, instituiu o Conselho franco-alemão de defesa e segurança, como orgão político de coordenação dos compromissos recíprocos.

O Tratado, assinado por Angela Merkel e Emmanuel Macron em Aix-la-Chapelle (Aachen) ,não prevê, como tinham propagado alguns dirigentes da oposição em França, uma partilha do assento permanente da França no Conselho de Segurança da ONU, nem a restituição à Alemanha das regiões francesas da Alsácia e Lorena.

Em contrapartida Paris e Berlim vão trabalhar conjuntamente para que a Alemanha se torne membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

No âmbito das quinze prioridades previstas no Tratado de Aachen, estão o acréscimo da cooperação entre a França e a Alemanha no seio do Conselho de Segurança, a criação de quatro institutos culturais integrados e uma plataforma digital franco-alemã de conteúdos audiovisuais e de informação.