rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Urgente
Itália: Primeiro-ministro apresentou a sua demissão

Governo Síria Curdos Damasco forças Estados Unidos

Publicado a • Modificado a

Síria: governo reune-se com curdos

media
O Presidente sírio Bashar al-Assad. Reuters

Pela primeira vez desde que guerra civil começou na Síria em Março de 2011, uma delegação curda reuniu-se com as autoridades para abordar a questão da descentralização no país ainda assollado pelo conflito. Apoiada pelos Estados Unidos, a delegação é formada por membros da ala política da aliança sírio-curda,que se denomina Forças Democráticas Sírias.


Dirigentes curdos das Forças Democráticas Sírias, que controlam uma faixa do norte e do nordeste da Síria, afirmaram que após o primeiro encontro com as autoridades de Damasco na quinta e sexta-feira,foi decidido a criação de comissões mistas para estudar as modalidades de uma descentralização política no país ainda afectado pelo guerra.

Segundo o Conselho Democrático Sírio,braço político das FDS, o objectivo da primeira ronda de discussões com o goverrno sírio é abrir o caminho para um diálogo mais amplo e abrangente,bem como definir um roteiro que leve a uma Síria democrática e descentralizada.

O conselheiro do Partido da União Democrática( PYD ) principal facção sírio-curda,Sihanouk Dibo,declarou que as futuras negociaçõesserão difíceis.

Dibo sublinhou que ambas as partes estão a trabalhar nessa perspectiva, mas que ainda é muito cedo para se falar de acordo. Sihanouk realçou, que o modelo político sírio é muito centralizado.

A Constituição síria não reconhece direitos particulares aos curdos, assim como à outras minorias.

Em 2012, quando as forças governamentais se retiraram das regiões de maioria curda, os dirigentes curdos aproveitaram a oportunidade para implementar a sua própria administração, sob a forma de autoridades cantonais.

O ministro dos negócios estrangeiros da Síria ,Walid Muallem manifestou recentemente a sua oposição a um governo autónomo nas zonas curdas, mas frisou que uma forma de autonomia era negociável.