rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Iraque Eleições Política Crise política

Publicado a • Modificado a

Iraque: Incêndio criminoso antes das eleições

media
Moqtada Sadr em Nadjaf, no Iraque, a 12 de Maio de 2018, a caminho da sua mesa de voto. REUTERS/Alaa al-Marjani

No Iraque as autoridades acabam de confirmar que foi de origem criminosa o incêndio que deflagrou no local onde se encontravam boletins de voto das eleições legislativas. O ministro iraquiano do interior, Qassem Al Araji, foi categórico: "Não há dúvida nenhuma que se trata de um acto deliberado".


O governante declarou ainda "Sigo pessoalmente o caso com a polícia criminal e a comissão de investigação".

O incêndio ocorreu no domingo nos armazéns do Ministério do comércio pouco após o Conselho superior da magistratura ter anunciado a nomeação de nove juizes visando supervisionar o apuramento dos dados e substituir os membros da comissão de eleições.

As urnas do círculo eleitoral de Al Roussafa, no leste de Bagdade, estavam lá armazenadas. Um círculo eleitoral, o maior do país, onde votaram 60% dos dois milhões de eleitores da capital.

O escrutínio legislativo de 12 de Maio deveria permitir ao Iraque virar a página de três anos de combate contra o autoproclamado Estado Islâmico e transformou-se numa verdadeira novela jurídica e política.

As negociações entre os vencedores começaram, com o líder nacionalista Moqtada Sadr na frente, mas as tentativas de fazer anular a votação por suspeitas de fraudes não têm cessado.