rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Estado Islâmico Terrorista Asilo Refugiado Asilo e Imigração Gérard Collomb

Publicado a • Modificado a

França: refugiado iraquiano suspeito de pertencer ao Estado Islâmico

media
O ministro do interior francês, Gérard Collomb. REUTERS/Stephane Mahe

Nesta sexta-feira, o ministro do interior francês, Gérard Collomb elogiou a eficácia do trabalho dos serviços secretos, que desembocou em Março, na prisão de um refugiado iraquiano suspeito de ser um quadro do grupo jiadista Estado islâmico. Collomb afirmou que a detenção do cidadão iraquiano,vai levar as autoridades francesas a efectuar uma selecção mais rigorosa dos requerentes de asilo.


De acordo com o ministro do Interior, Gérard Collomb, os serviços de informação franceses, efectuaram o seu trabalho muito rápidamente.

Collomb afirmou que o refugiado iraquiano identificado apenas pelo nome de Ahmed H, começou a ser vigiado um mês depois da obtenção do seu pedido de asilo em França.

Segundo uma fonte ligada ao dossier de Ahmed H chegado em França no Verão de 2016, o refugiado iraquiano tinha obtido o asilo político em Junho de 2017, outorgado pelo OFPRA (Departamento Francês de Protecção dos Refugiados e Apátridas), e recebido uma autorização de residência por 10 anos .

Gérard Collomb declarou, referindo-se ao artigo 4 do projecto de lei Asilo e Imigração a ser examinado pelo Senado de 19 a 22 de Junho, que a França vai reforçar o controlo no que toca aos requerentes de asilo, porque casos como o de Ahmed H não podem ser excluídos.

O ministro do interior francês informou que o dossier de Ahmed H está a ser examinado pelas autoridades judiciais.

Segundo a DGSI (Direcção Geral dos Serviços de Informação- secretos internos franceses) Ahmed H de 33 anos é suspeito pela justiça anti-terrorista da França de ter participado, em Junho de 2014, no massacre do acampamento militar de Speicher, em Tikrit, ao norte de Bagdag, no Iraque.

Na referida cidade iraquiano, então ocupada pelo grupo jiadista Estado Islâmico, foram mortas 1.700 pessoas.