rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Londres Rússia Moscovo Reino Unido Diplomacia Estados Unidos

Publicado a • Modificado a

Escalada verbal entre Londres e Moscovo

media
Boris Johnson, Secretário do Foreign Office.Londres12 de Março de 2018 REUTERS/Simon Dawson

A escalada na crise diplomática entre Londres e Moscovo, em redor do envenenamento do agento duplo russo, Sergeï Skripal, registou um novo grau, com a Grã-Bretanha a ligar directamente o Presidente Vladimir Putin ao acto acto de que foi alvo o ex-espião.O Kremlin qualificou as acusações do governo de Londres de chocantes e imperdoáveis .


A guerra verbal entre Moscovo e Londres acerca do envenenamento do ex-agente duplo russo, Sergeï Skripal registou nesta sexta-feira , mais um grau na sua escalada, depois do ministro dos negócios estrangeiros britânico, Boris Johnson ter afirmado, que o seu governo tinha antes um problema com Vladimir Putin , de que com o povo russo .

Johnson declarou que a utilização do gás nervoso contra Skripal, foi uma decisão tomada directamente pelo Presidente Putin.

Na sua resposta às acusações de Boris Jonhson,o porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov afirmou que a linguagem do secretário do Foreign Office, violava todas as regras do protocolo diplomático. Peskov considerou chocante e imperdoável o comportamento de Johnson do ponto de vista diplomático.

A escalada verbal entre Londres e Moscovo, ocorre dois dias antes da eleição presidencial russa, na qual Vladimir Putin é tido como grande favorito, com mais de 60% das intenções de voto .

Num comunicado conjunto divulgado na quinta-feira,o Reino Unido,a França,a Alemanha e os Estados Unidos condenaram o ataque com gás nervoso de que foram alvos Sergeï Skripal e a sua filha Yulia, qualificando-o de atentado a soberania britânica.

As autoridades russas têm solicitado as suas homólogas britânicas amostras do gás nervoso utilizado no envenenamento do antigo agente duplo, de forma a analisar se o mesmo faz parte da família química do novichok, como o afirma o governo de Londres. Até a data, o executivo britânico não respondeu positivamente ao pedido da Rússia.

O novichok foi um agente químico desenvolvido pelo exército da ex-União Soviética,na década de 70 do século vinte.