rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Córsega língua Descentralização Política Emmanuel Macron

Publicado a • Modificado a

França: Macron contra oficialização da língua corsa

media
Emmanuel Macron em Bastia, Córsega, a 7 de Fevereiro de 2018. AFP

O presidente francês termina ainda hoje uma visita de dois dias à ilha mediterrânica da Córsega. Emmanuel Macron opôs-se à oficialização da língua corsa, ao lado do francês.


A ilha da Córsega pertence à França desde o século XVIII, após ter estado também nas mãos dos genoveses.

O território tem sido palco de movimentos independentistas reclamando, nomeadamente, a oficialização da língua corsa.

Há 20 anos a 6 de Fevereiro era mesmo assassinado Claude Erignac, governador civil, em plena rua de Ajaccio, no sul da Córsega.

Uma efeméride lembrada ontem pelo chefe de Estado Emmanuel Macron que efectuava, assim, a sua primeira deslocação como presidente à ilha.

Macron afirmou-se favorável a que o território fosse mencionado na Constituição, reformulando o artigo 72° sobre a organização da administração.

O presidente opôs-se, porém, a qualquer amnistia para os presos tidos como "políticos", uma reivindicação dos nacionalistas.

Este sector ocupa, neste momento, os principais cargos de gestão da ilha: Gilles Simeoni é presidente do Conselho executivo enquanto Jean-Guy Talamoni é presidente da Assembleia da Córsega.

Eis a tradução de um extracto da alocução do presidente francês Emmanuel Macron em Bastia, norte da Córsega, perante, nomeadamente, dirigentes regionalistas e nacionalistas, nesta quarta-feira.

"O bilinguismo não é co-oficializar (duas línguas). O bilinguismo não é uma nova fronteira na república. Não é a divisão entre o que é a soberania da nação e o que é o povo francês.

É o reconhecimento de uma identidade cultural e linguística na república, é a vontade de a fazer viver.

Mas na república francesa, e mesmo antes dela, há uma língua oficial, o francês.

Foi assim que nos fizemos e é imprescindível que mantenhamos o que nos constitui, o que nos fez.

Ou seja há que manter e explicar este alicerce da nossa constitituição, da nossa nação.

Mas o bilinguismo deve ser plenamente reconhecido e desenvolvido."

Emmanuel Macron, Presidente da República Francesa 07/02/2018 ouvir