rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Catalunha Espanha Carles Puigdemont

Publicado a • Modificado a

Espanha: adiada tomada de posse de Puigdemont na Catalunha

media
O ex-presidente da Catalunha Carles Puigdemont,ao sair de um encontro com Roger Torrent em Bruxelas .24 de Janeiro de 2018, REUTERS/Yves Herman

A candidatura de Carles Puigdemont à sua própria sucessão como presidente do governo regional da Catalunha ,divide os seus partidários independentistas. Exilado na Bélgica voluntáriamente,Puigdemont,chefe de fila dos independentistas candidatou-se à presidência da Generalitat, mas para isso ele deve regressar à Catalunha.Ora, ele é acusado de ter proclamado ilegalmente a independência da província espanhola, por isso deverá enfrentar a justiça . O impasse no qual se encontra Carle Puigdemont levou o presidente da Assembleia catalã, Roger Torrent, a adiar, sem data prevista,a tomada de posse do chefe dos indepndentistas como presidente da Catalunha.


O adiamento da tomada de posse de Carles Puigdemont, proibida pelo Tribunal Constitucional do reino de Espanha, suscitou vigorosas críticas ao também independentista, Roger Torrent, presidente da Assembleia regional da Catalunha. Torrent não resistiu às críticas ao Tribunal Constitucional e anunciou o cancelamento da sessão plenária ,que deveria debater sobre a investidura de Puigedmont.

Sem ter marcado uma data para a tomada de posse de Puigdemont, alvo de um processo judicial por desobediência administrativa, Roger Torrent considerou que o ex-presidente da Catalunha tinha o direito de ser candidato e que garantias lhe devem ser dadas para uma investidura normal.

A decisão de Torrent provocou reacções contrárias no seio dos independentistas,tanto no partido de Carles Puigdemont, Juntos pela Catalunha, como na Candidatura da Unidade Popular (CUP),formação da extrema-esquerda.

O porta-voz do CUP, Carlos Riera declarou que Torrent não tinha informado ninguém sobre a sua decisão, incluindo o próprio Carles Puigdemont.Riera afirmou que os outros independentistas não estão de acordo e qualificou de erro político grave a decisão de Torrent,líder do ERCEsquerda Republicana de Catalunha.

A nomeação do presidente da Generalitat(Governo da Catalunha), estava prevista para quarta-feira,dia 31 de Janeiro.