rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Davos Fórum Económico Mundial Emmanuel Macron

Publicado a • Modificado a

Davos2018: Macron admite falhas na mundialização

media
Le président français Emmanuel Macron à Davos le 24 janvier 2018. REUTERS/Denis Balibouse

O presidente francês Emmanuel Macron acaba de se exprimir no Fórum económico de Davos. A França "está de volta", afirmou o governante gaulês, pedindo um "novo contrato mundial".


O chefe de Estado francês reclamou "um novo contrato mundial" perante as derivas da globalização, advertindo para os riscos levantados pelos extremismos.

Emmanuel Macron estima que o FMI deveria vigiar a totalidade do sistema financeiro internacional.

Eis a tradução de um excerto da sua alocução feita em inglês e em francês.

Emmanuel Macron, presidente francês 24/01/2018 ouvir

"Se desejo que a França disponha em pleno do lugar a que tem direito na competição mundial isso far-se-á se a Europa for mais forte.

Mas isso não é uma finalidade enquanto tal.

E o crescimento económico não é um fim, é um meio.

E irei mais longe: a busca do crescimento económico fez-nos às vezes esquecer o que os povos estão dispostos a aceitar para a obter.

Este crescimento estruturalmente é cada vez menos justo.

Há cada vez mais uma concentração em 1% de mais ricos.

Isto tem que ver com a "financiarização" da globalização favorecento o efeito de concentração e as novas tecnologias.

É uma economia de super estrelas, ela favorece as pessoas com muito talento.

E isto cria um verdadeiro risco para a democracia.

Estamos aqui a reflectir sobre estes assuntos, mas a dezenas de quilómetros daqui há pessoas que acreditam mesmo que a solução é deixar a globalização.

Há cada vez mais pessoas convencidas de que tal é a opção correcta."

O discurso de Emmanuel Macron era muito aguardado no Fórum económico mundial, a decorrer em Davos até sexta-feira na cidade suíça de Davos.

Também Angela Merkel interveio hoje.

A chanceler alemã Angela Merkel nos últimos meses tem estado retirada das lides internacionais por não ter conseguido até então viabilizar novo governo na sequência das eleições de Setembro de 2017.